Pandemia estimula modernização do setor de hospedagem brasileiro

O turismo brasileiro já contabiliza um déficit de R$ 182 bilhões desde o início da pandemia, ocasionado pelo coronavírus.

A estimativa foi feita pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), no período de março a agosto deste ano. De lá pra cá, sobretudo do mês passado, a cadeia de consumo do turismo vem reagindo, a passos lentos e com muitas incertezas ainda pela frente.

“Temos uma pequena retomada que, possivelmente, poderá estruturar as empresas até o surgimento da vacina, mas não podemos dizer que é um retorno integral. Em tese, 80% dos hotéis e similares estão abertos, mas ainda vemos uma movimentação tímida. Aos poucos, a hotelaria está ganhando espaço novamente, contudo, ainda temos muito o que batalhar para que não haja mais prejuízos a longo prazo. Lamentavelmente, contabilizamos um grande percentual de empreendimentos fechados, que não resistiram à crise, tanto no que diz respeito à hospedagem quanto ao setor de alimentação”, explica Alexandre Sampaio, presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA).

Para o presidente da FBHA, nunca o setor (tanto em nível nacional quanto mundial) passou por algo semelhante, mas a crise, por outro lado, trouxe muita modernização para as empresas, além de uma nova visão do que o consumidor do futuro espera dos negócios em termos de prestação de serviço e solução de problemas.

Na perspectiva de Sampaio, a forma de servir as refeições para os hóspedes, por exemplo, já foi completamente adaptada, na maioria dos empreendimentos. “Alguns hotéis têm optado por ‘empratar’ os alimentos e os cardápios são acessados por meio de QR Code”, exemplifica.

Para as áreas mais burocráticas dos hotéis, como a Administrativa, a tendência é de que os estabelecimentos deixem de lado os papéis e utilizem serviços digitais para, por exemplo, realizar check-in e check-out. Novos meios de pagamento, como totens, também já começam a surgir, de maneira que não haja contato direto do hóspede com o funcionário do hotel.

Em prol da modernização

Neste ano, o Ministério do Turismo (MTur), em parceria com o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), Wakalua Innovation Hub e Organização Mundial do Turismo (OMT), organizou o 1º Desafio Brasileiro de Inovação em Turismo. Com intuito de promover uma competição de startups, o movimento buscou soluções para a retomada do turismo brasileiro por meio de projetos de base teológica.

A competição buscou responder às necessidades imediatas do contexto pós-pandemia e, além disso, promoveu a resolução de desafios gerais correlacionados ao turismo brasileiro. No dia 18 de setembro, as entidades organizadoras divulgaram as dez startups finalistas deste projeto pioneiro, sendo elas:

– B2BHotel (PR);

– EION Veículos Elétricos (PR);

– Gear Ventures (SP);

– iFriends (RJ);

– Sentimonitor (RS);

– Sisterwave (DF);

– Smart Tour/Smart Tracking (SC);

– Tripbike (SP);

– Vivakey – Techospitality (SP); e

– Worldpackers (SP).

Ao todo, o desafio recebeu 790 inscrições de diferentes regiões do Brasil e as 10 finalistas foram classificadas para as semifinais da terceira edição da UNWTO Tourism Startup Competition, desafio global promovido pela OMT em parceria com o Wakalua.

Para a avaliação dos projetos, a competição contou com líderes do turismo para julgarem critérios como natureza inovadora; equipe de empreendedores; potencial de escalabilidade; relevância para o setor; viabilidade; sustentabilidade; e contribuição ao setor. O presidente da FBHA esteve presente como um dos jurados.

“A iniciativa mostrou que é possível buscar a transformação do turismo com a colaboração de grandes mentes brasileiras. A federação defende que, juntos, somos mais fortes e, com essa competição, conseguimos ter mais certeza dessa afirmação. Hoje, a inovação corre nas veias das empresas turísticas e isso é muito importante. Nesse desafio, pudemos avaliar grandes projetos. O nosso futuro é promissor, não tenho dúvidas”, comemora Sampaio.

Na última terça-feira (29), foi anunciado que o Worldpackers, plataforma colaborativa que incentiva a viagem voluntariada, foi a vencedora da competição.  Vivakey e EION Veículos Elétricos ficaram, respectivamente, em segundo e terceiro lugares.

Modernização para a hotelaria e para a alimentação

A Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA) lançou, em setembro, a campanha de aniversário de seis décadas e meia da entidade, com o slogan “65 anos de trabalho, inovação e representatividade!” para enaltecer a importância dos segmentos por ela representados, que tanto têm contribuído para o desenvolvimento econômico do Brasil.

Na corrida pela inovação e modernização de processos, para atender às demandas do “novo normal”, as empresas dos setores de hospedagem e alimentação buscam ajudar o Brasil a sair da crise, mostrando que, com gestão eficiente e criatividade, é possível avançar.

“Não temos mais tempo de nos queixar do prejuízo econômico, porque, agora, é hora de trazer soluções. A inovação é fundamental nesta caminhada. Precisamos aprender coisas novas e, acima de tudo, readaptar o turismo para que continuemos movimentando renda, emprego e, claro, alegria para milhões de brasileiros. O aniversário da federação não podia ser diferente: nesses 65 anos de atividade, buscamos sempre modernizar. Neste ano, mais do que nunca, estamos entrando para o novo mundo”, conta Sampaio.

FONTE:  Federação Brasileira de Hospedagem e Halimentação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp chat