logotipo
seja socio do sindicato
contribuição online
Acesse a contribução on-line

Notícias

  • 13/06/2017

    Food Hall: conheça o termo e saiba mais sobre a tendência

    Food Hall: conheça o termo e saiba mais sobre a tendência
    O conceito de Food Hall surgiu na Inglaterra, integrado às operações de tradicionais lojas de departamento, como Harrods e Selfridges. Inicialmente, a ideia era oferecer experiências com alimentos de forma diferenciada, criando uma nova área de interesse dentro destes espaços. Com o tempo, a expansão do conceito foi se desenvolvendo no mercado europeu e se espalhou pela Alemanha, Itália, França, Espanha e Estados Unidos.

    A evolução do conceito nos EUA foi marcada pela convergência de dois movimentos simultâneos: por um lado, os consumidores ampliaram seus gastos com alimentos prontos e preparados para consumo rápido e, por outro lado, shoppings centers estavam em busca de alternativas para ocupar espaços anteriormente usados por lojas de departamento, que começavam a perder força por volta de 2007. Dez anos depois, a área destinada para alimentos, bebidas e entretenimento em shoppings centers nos EUA foi de 10 para 20%. Na configuração anterior, muito da oferta de alimentos e bebidas era concentrada apenas nas tradicionais praças de alimentação ou em pequenos quiosques.

    Espaços especializados
    O Food Hall é mais do que uma praça de alimentação. Ele é um espaço para quem gosta de gastronomia e quer dedicar tempo a ela. Nele estão opções diferenciadas para consumo imediato, que apresentam características especiais, seja em ingredientes ou no preparo.

    No cenário atual, os Foods Halls representam a maturidade dos espaços integrando alimentos e bebidas com entretenimento, lazer e diversão. A alimentação aqui nunca é vista como uma necessidade ou uma obrigação, mas como um momento especial. Por isso, estes espaços trabalham para apresentar não apenas uma boa seleção de produtos e serviços, mas um ambiente aconchegante, que convide o consumidor a permanecer e aproveitar o local. Como bons exemplo, podemos citar o Eataly, que se tornou a referência desses novos conceitos e, em Curitiba, a Mercadoteca e o novo espaço que está sendo desenvolvido no Shopping Pátio Batel.

    Ao que tudo indica, esta tendência deve seguir ascendente nos próximos anos e será uma excelente oportunidade de ocupação não apenas em espaços ociosos de lojas de departamento, mas também aeroportos, centros empresariais, universidades e, porque não, super e hiper mercados.